Seja bem-vindo. Hoje é

17 dezembro 2011

OS SACRAMENTOS NA VIDA DO CRISTÃO




Lugares do encontro com Deus, os sacramentos são importantes na vida do cristão. Quando falamos de “sacramentos” estamos nos referindo a uma realidade santa, mistério. São ações de realização da Igreja, ações do Espírito Santo que introduzem o cristão na vida da graça e da autocomunicação divina. “A originalidade dos sacramentos cristãos (à diferença dos ritos pré-cristãos prometedores de salvação) se funda sobre a união hipostática do Verbo divino com uma natureza humana e sobre o mistério da Igreja que daí se desprende” (Karl Rahner). Na compreensão do que é sacramento é necessário reconhecer o que aconteceu na vida de Jesus Cristo. De fato, reconhecemos que em Jesus Deus manifestou-se, comunicou-se aos homens e às mulheres. Nele, a história da salvação entrou em sua fase definitiva e vitoriosa. A partir da encarnação, do mistério da vida, paixão, morte e ressurreição de Jesus, a história recebeu um caráter escatológico. Isto quer dizer que as ações do Espirito, enviado pelo Pai por meio de Jesus, são infalíveis e realizam o que significam. Dentre as ações do Espirito, a Igreja privilegia os sacramentos, que no entendimento da Igreja são 7 (sete): Batismo, Eucaristia, Crisma, Penitência, Unção dos enfermos, Ordem e Matrimônio. O que mostra que essas ações são infalíveis e realizam o que significam é o opus operatum (obra que opera), isto é, o mistério pascal, vida, paixão, morte e ressureição de Jesus Cristo. Porque Jesus Cristo é o mediador entre Deus e os homens e que agiu sempre com o Espírito Santo e por isso, nos dá o Espírito para constituir a Igreja, devemos reconhecer que essas ações gozam do caráter de indefectibilidade. Isso quer dizer que os sacramentos acontecem, em primeiro lugar, pela presença e ação do Espírito Santo, o Espirito de Cristo. Independentemente do estado de santidade do ministro que celebra, os sacramentos agem por meio do Espírito, a graça acontece, pois estamos na fase definitiva da história da salvação. Por isso, quando falamos de sacramentos é preciso entender que Jesus Cristo é o sacramento de Deus. “Reconhecer em Jesus Cristo o sacramento originário’ significa, antes de tudo, confessar que nele nos é oferecido o dom supremo do Pai, a certeza de um amor, que autoriza a confiar sempre na impossível possibilidade de Deus” (Bruno Forte). Se Jesus é o sacramento de Deus, a Igreja é o sacramento de Jesus Cristo. “A Igreja é em Cristo como um sacramento, isto é, um sinal e um instrumento da íntima união com Deus e da unidade de todo o gênero humano” (Concílio Vaticano II, Constituição dogmática sobre a Igreja Lumen gentium 1). Na Igreja e pela ação do Espírito Santo, os fiéis são acompanhados pela graça de Deus que age em toda a história dos homens e das mulheres. Ao receberem os sacramentos os cristãos se tornam eles mesmos “sacramentos” da graça de Deus. Por isso, não é possível separar sacramentos da vida. Sempre recebemos os sacramentos na vida e para a vida, para a missão. Por eles somos introduzidos na missão de Jesus, o libertador, que não cessa de estar presente no meio de nós, pela ação do seu Espírito, na Igreja e para o mundo.



                                                                                                                       Pe. Paulo Henrique da Silva

                                                                        Paróquia de Santa Clara – Professor de Teologia da FAHS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desde já agradecemos a sua contribuição!

Coloque o seu e-mail aqui e aperte submit e receba as últimas notícias do blog da paróquia !